Lavoisier o "Pai da Química"

Lavoisier foi um dos mais relevantes teóricos da Química Moderna.

Antoine Laurent de Lavoisier nasceu em Paris, em 26 de agosto de 1743, filho de uma família rica. Logo cedo ficou órfão de mãe e foi educado pelo pai e pela tia. Aos 11 anos de idade, ele foi enviado ao Colégio Mazarino, onde teve contato com estudos humanísticos, Matemática e Ciências. Ao sair do Colégio formou-se em Direito em 1763, mas não abandonou sua verdadeira paixão pela Ciência.
O ensino no fim do século XVIII era dividido em duas partes: na primeira, o professor ensinava teoria, explicando o que lhe parecia a verdade científica; depois, o demonstrador comprovava por um experimento a verdade estabelecida (já que o mestre não se rebaixava a fazer o trabalho humilde da demonstração manual). Quando Lavoisier iniciou seus estudos na universidade, esse esquema já era amplamente difundido. Lavoisier fez cursos livres de Eletricidade, Botânica, Mineralogia, Anatomia Humana, Geologia, Mineralogia, Astronomia e é claro de Química. No Jardin des Plantes, onde as lições de Química eram ministradas, a teoria era discutida pelo professor Boudelaine e a demonstração ficava a cargo de Rouelle, que mais tarde se tornaria amigo de Lavoisiser. Em uma das lições a que Lavoisier e a nobreza compareceram, no Jardin, todas as afirmações do professor foram demolidas imediatamente pelos experimentos de Rouelle; esse acontecimento direcionou definitivamente as atenções de Lavoisier para o estudo experimental.

Em 1765, aos 22 anos, ganhou um concurso lançado pela Academia de Ciências sobre a melhor maneira de iluminar, durante a noite, as ruas de uma cidade, mas só em 1769 Lavoisiser foi efetivado como membro oficial dessa instituição. O método utilizado por Lavoisier para elaborar esse projeto foi inovador: para descobrir o efeito da luz sobre pessoas perfeitamente acostumadas à escuridão, ele não teve dúvidas em manter-se fechado num quarto escuro durante seis semanas seguidas. Embora com objetivos diversos, o método de Lavoisier foi precursor dos experimentos de isolamento a que se submetem hoje em dia os astronautas e navegadores subaquáticos.

Para custear suas pesquisas Lavoisier, membro da Academia Real de Ciências de Paris, comprou ações da Ferme Générale, uma sociedade que tinha direito de cobrar os impostos. Apenas uma cota fixa dessas ações era para o rei o resto ficava para cobrança e o lucro dos acionistas. Assim, a renda que tais ações lhe davam permitiam uma vida de luxo e de boas amizades, porém, conquistava o ódio do povo.

Aos 26 anos, Lavoisier conheceu Jacques Paul Chastelelles e sua filha Marie Anne Pierrette Paulze (1758-1836), com quem se casou quando ela tinha apenas 13 anos. Ele supervisionou pessoalmente a educação da mulher em latim e em inglês, para que ela pudesse auxiliá-lo na tradução de trabalhos científicos e filosóficos.
Lavoisier descobriu um modo de sintetizar o salitre (nitrato de potássio) e desenvolveu o processo industrial necessário para assegurar o abastecimento do produto independentemente de sua ocorrência natural.

O símbolo que melhor representa a obra de Lavoisier é a balança. Ele foi o primeiro a perceber que a maior parte das incertezas na interpretação dos experimentos químicos resultava da imprecisão do conhecimento da massa de cada substância participante. Lavoisier possuía três balanças, com uma sensibilidade e precisão para medida de quantidades mínimas de massa, que podiam rivalizar com algumas das balanças mais modernas utilizadas atualmente.
Em 1787 Lavoisier lançou sua primeira obra – com a colaboração de Louis B. Guyton de Morveau e Antonie F. Fourcroy – Método de Nomenclatura Química, na qual propõe uma reformulação da terminologia química.

Em 1789 lançou sua principal obra, Tratado Elementar de Química, e então passou a ter uma carreira que culminaria com uma nova ordem para a Química como Ciência. Lavoisier apresentou pela primeira vez a nomenclatura moderna, longe da obscura linguagem característica da alquimia. Nessa obra Lavoisier relacionou 33 elementos (na verdade substâncias) conhecidos. A luz e o calor foram considerados elementos e entraram na relação.

Em seu Tratado Elementar de Química, Lavoisier diz:

“Podemos estabelecer como um axioma* que, em todas as operações da arte e da natureza, nada se cria; uma quantidade igual de matéria existe antes e depois do experimento. a qualidade e a quantidade dos elementos permanecem precisamente as mesmas; e nada ocorre além de variações e modificações na combinação dos elementos. Deste princípio depende toda a arte de executar experimentos químicos: devemos sempre supor uma igualdade exata entre os elementos do coropo examinado e aqueles dos produtos de sua análise”.

*Axioma: É a sentença ou afirmação que não exige demonstração ou prova, mas que é considerada consenso inicial para a aceitação ou construção de uma teoria.
Título da página do primeiro volume do Tratado Elementar de Química

Em 1791 Lavoisier publicou sua terceira obra, A Riqueza Agrícola do Solo da França, um estudo relacionado com um novo esquema de taxação da propriedade rural.

A Lei de Lavoisier ou Lei da Conservação das Massas permite que em um sistema fechado e que não haja troca de matéria com o meio externo, podemos somar as massas dos reagentes e verificar que esse resultado é igual à soma das massas dos produtos. Sendo assim, a massa é conservada. Fazendo uso de uma balança, Lavoisier mediu cuidadosamente as massas de um sistema fechado, antes e depois de haver reação química.

Lavoisier se interessou pelo fenômeno da combustão, mas, ao contrário da maioria de seus predecessores, planejou cuidadosamente seus experimentos, medindo com precisão a massa dos materiais submetidos à combustão e a dos produtos formados. Ele foi queimando tudo o que pudesse ter em mão, até um diamante, e foi capaz de mostrar que, quando um metal sofre corrosão em um recipiente fechado, o ganho resultante de massa é compensado por uma perda correspondente, em massa, do ar no recipiente. Concluindo que, quando um metal sofre corrosão, alguma coisa do ar (oxigênio) penetra nele ou se combina com ele.

Com a Revolução Francesa, que derrubou a ordem política existente (feudalismo e monarquia), os membros da Ferme Générale foram colocados entre os primeiros da lista de “inimigos do povo”, acusados de peculato e presos por não terem prestado contas de suas atividades. E. Marat – que fora recusado por Lavoisier na eleição para a Academia de Ciências de Paris – vingou-se dissolvendo as sociedades científicas. Diversos cientistas da Europa, temendo pela vida de Lavoisiser, enviaram uma petição aos juízes para que o poupassem em respeito a seu valor científico. Coffinhal, presidente do tribunal, recusou o pedido com uma frase equívoca que se tornou famosa: “A França não precisa de cientistas”. A acusação passou de peculato para traição e Lavoisier foi guilhotinado em 18 de maio de 1794. Suas propriedades foram confiscadas e sua esposa foi presa. Depois de um tempo, Marie Anne foi libertada, recuperou as propriedades e publicou em 1805 a obra Memórias de Química, com o nome do marido, baseada em anotações dos trabalhos que ele realizou.

é a Química sendo expandida…

by Bruno Leite (lattes)

  1. 10 de junho de 2010 às 9:52

    Do carambaaaarealmente show essa,conta do inicio ao fim da vida de Lavoisier,e ainda oque ele fez!dayvd alves 1º B

  2. 10 de junho de 2010 às 9:54

    daniel ricardo 1ºB CMEbem interesante,quando ele morre a mulher escreve um livro com suas anotações esse livro teve alguma repercussão ou causou a descobeta de algo novo!??

  1. No trackbacks yet.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: